Sensibilidade dentária: não se limite aos cremes dentais especiais e trate o problema

Sensibilidade dentária: não se limite aos cremes dentais especiais e trate o problema

Alguns pacientes descrevem como um tipo de “choquinho” e outros, como pontadas agudas, que chegam a causar calafrios. A dor provocada pela sensibilidade dentária ou hipersensibilidade dentinária incomoda. E o problema interfere em hábitos como o de apreciar um café “pelando” ou degustar uma cerveja “estupidamente” gelada. 

Quem sofre com a hipersensibilidade já sabe: geralmente é o contato com alimentos ou bebidas muito quentes ou frias ou ainda alimentos muito doces ou ácidos que desencadeia o desconforto. Mas o que nem todos os pacientes que têm o problema sabem é que há tratamento e medidas de prevenção para a sensibilidade dentária.

Embora, em alguns casos seja de grande valia o uso de cremes dentais feitos “especialmente” para dentes sensíveis, nem sempre são a melhor solução.
Entenda o que é a hipersensibilidade dentinária, como prevenir e tratar o problema.

O que causa a hipersensibilidade dentinária? 

A sensibilidade dentária provoca dor e, por isso, às vezes é confundida pelos pacientes com um sintoma de cáries. Mas, diferentemente da cárie, a hipersensibilidade não é causada por bactérias ou qualquer tipo de microorganismo.

O problema de dentes sensíveis é ocasionado pela exposição da dentina, parte da estrutura interna do dente. Com a erosão dentária ou retração das gengivas, essa estrutura, que tem terminações nervosas, fica exposta ao contato com o frio, calor,doce e ácido. O resultado são os “choquinhos” ou pontadas.

Mas o que causa a exposição da dentina?

Bem, a exposição da dentina pode ser causada pela ação de ácidos, que provocam a erosão ou desgaste dos dentes. Ou pode ser decorrência de sobrecarga oclusão, ou seja, pressão ou contato excessivos nos dentes. Entre as situações associadas à sobrecarga está um hábito bastante comum: o de “apertar” os dentes em situações de tensão.

Há “grupos de risco” para o problema de dentes sensíveis?

A hipersensibilidade dentinária é mais comum para algumas pessoas sim. Um exemplo são os pacientes com “bruxismo”, já que o “ranger de dentes” pode ocasionar desgaste dentário.

O problema também ocorre em pacientes que fizeram tratamento ortodôntico e nos que têm hábito de pressionar os dentes quando nervosos. O mesmo acontece com os atletas que praticam esportes com cargas.

Além disso, a sensibilidade dentária também é frequente entre pacientes com refluxo gastroesofágico (acidez), pacientes em tratamento do câncer ou que usam medicações que reduzem o fluxo salivar,  alcoólatras e dependentes químicos.

Escovar os dentes com mais frequência ajuda?

A sensibilidade dentária não tem relação direta com a questão da higienização da boca (embora o contato prolongado com substâncias ácidas possa agravar a erosão dentária). Por isso, não há indicação de higienizar boca e dentes mais do que o que já recomendado para todos.

Escovar demais os dentes pode até mesmo agravar o processo de deterioração do esmalte. E pior se o paciente usar escova com cerdas duras e aplicar força excessiva na escovação. Mas isso não significa que quem tem dentes sensíveis deve descuidar da limpeza da boca. Apenas não é recomendado exagerar. A escovação pode e deve ser feita normalmente, após as refeições ou cerca de três vezes ao dia.

A escovação deve ser feita com cerdas macias. Os movimentos de “vai e vem” devem ser suaves, com a escova angulada em 45°. Também é importante fazer os movimentos de varredura no sentido que os dentes crescem nos de cima de cima para baixo e nos de baixo de baixo para cima e complementar a higienização com uso do fio dental uma vez ao dia.

Quando ingerir alimentos muito ácidos, é recomendável fazer um bochecho com água pura e aguardar pelo menos 30 minutos para escovar os dentes. Isso porque, no intervalo, os minerais da área superficial atacada são recompostos na saliva e essa camada fica mais preservada.

Por que a dor no contato com o açúcar?

A pessoa com dentes sensíveis costuma sentir dor no contato dos dentes com alimentos e bebidas gelados ou quentes (efeito físico). Mas, além da questão da temperatura, as pontadas também são sentidas na ingestão de doces ou alimentos muito ácidos (efeito químico).

Nessas situações, os pacientes confundem ainda mais a hipersensibilidade com a dor provocada pelas cáries. Mas são condições bem diferentes. No caso dos doces, o “choquinho” é provocado pelo deslocamento de fluido da raiz exposta. Esse movimento é provocado pela concentração de açúcares ou ácidos.

Há como prevenir dentes sensíveis?

Algumas mudanças de hábitos podem ajudar na prevenção da hipersensibilidade dentinária. Para pessoas que costumam tensionar a musculatura da boca quando estão sob estresse, a mudança de hábito é uma medida de prevenção. Como referência, é importante que essa pessoa procure manter o máximo possível a posição de relaxamento da boca, com lábios fechados e as arcadas separadas, sem contato entre os dentes superiores e inferiores.

Pacientes com gengivas “retraídas” devem evitar escovar os dentes com força demais e fazer a opção por escovas com cerdas super macias. No caso de pessoas que sofrem com a erosão dentária, evitar refrigerantes e sucos e chás  (industrializados) , sucos e frutas cítricas (laranja, limão, kiwi e morango) e ainda temperos como vinagre e aceto balsâmico em excesso.

E sensibilidade dentária tem tratamento?

O problema de sensibilidade dentária tem tratamento. Mas, para que seja o correto, é essencial ter o diagnóstico das causas e a avaliação correta do grau de exposição da dentina.

Em algumas situações, o controle da dor é feito com o uso de medicações específicas ou de laser aplicados pelo dentista. Há casos que demandam restaurações com resina ou enxertos gengivais. O tratamento da hipersensibilidade dentinária também pode envolver a Ortodontia, com a correção da mordida. E, em alguns casos, o uso de placas é recomendado para evitar traumas durante a prática de esportes ou em decorrência do hábito de apertar os dentes.

De maneira alguma, ao sentir o “choquinho”, o paciente deve ignorar o desconforto. É bastante comum que o paciente busque o consultório apenas quando a dor se torna insuportável, o que é um erro. Quando mais agravada a situação, mas difícil será o tratamento.

Além disso, não devemos limitar os cuidados com a hipersensibilidade dentinária ao uso de cremes dentais para dentes sensíveis. As pastas em alguns casos são de grande ajuda, mas, na maioria das vezes, não são suficientes para fazer desaparecer o problema. Sente pontadas nos dentes quando toma algo super quente ou gelado? Então procure seu dentista!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *